Dívidas Acumuladas: Qual delas deve ser paga primeiro?

Quando acumulamos muitas dívidas e a vida financeira fica completamente desorganizada, fica difícil determinar quais dívidas devem ser pagas primeiro e quais podem ser pagas posteriormente.

Saber qual dívida priorizar realmente não é uma tarefa muito fácil, além de exigir tempo e organização. Para te ajudar a se organizar financeiramente, criamos esse guia para que você possa se organizar.

Analise as suas dívidas para saber qual delas você deve pagar primeiro

Antes de tomar qualquer tipo de providencia para pagar as suas dívidas e escolher qual delas deve ser priorizada, é necessário fazer uma análise de todas as suas dívidas.

Portanto, coloque todas as suas dívidas no papel, anotando todas as informações referentes ao valor total das dívidas e o Custo Efetivo Total de cada uma delas. Com as suas dívidas organizadas, você conseguirá ter uma noção sobre tudo aquilo que você deve e saberá quais devem ser priorizadas.

Avalie o Custo Efetivo Total de suas dívidas

Utilizar o Custo Efetivo Total (CET) como um dos principais critérios para definir quais dívidas devem ser priorizadas é muito importante para saber o que deve ser priorizado. Com isso, você evita o erro de dar prioridade somente ao valor da dívida, sem considerar os juros e outros adicionais.

O CET é o conjunto de todos os custos, encargos e taxas de juros a serem pagos. Mesmo que o valor de sua dívida seja baixo, se os valores desses encargos e taxas forem altos, então o valor de sua dívida pode subir muito de mês para mês.

Se você não souber fazer o cálculo para saber qual é o valor do CET de sua dívida, não há problema. É dever dos credores informar o CET de forma transparente. Em caso de dúvidas, entre em contato com a instituição.

Por fim, vale falar que o CET varia muito de instituição para instituição, mas vale ressaltar que os CETs mais caros do mercado são os juros do cartão de crédito e os do cheque especial.

Anúncios

Analise o que você pode perder com as contas atrasadas

Como já falamos anteriormente, ter conhecimento do Custo Efetivo Total de suas dívidas é indispensável para definir as suas prioridades. No entanto, há outros fatores que também devem ser levados em consideração.

É necessário também estudar o impacto que aquela dívida pode causar. Um bom exemplo são as contas de serviços básicos (água, energia, etc.) e serviço de moradia (aluguel e condomínio).

Muitos dos serviços básicos possuem taxas de juros bem pequenas, mas passado um prazo da inadimplência, as empresas responsáveis pelos serviços podem cortar o fornecimento. Além dos serviços básicos, os serviços de comunicações, como internet e celular, também seguem a mesma lógica e podem ser cortados.

As dívidas que podem colocar o seu imóvel ou veículo em risco devem ser priorizadas também. A inadimplência do IPTU, por exemplo, pode resultar na perda do bem, já que o mesmo pode ser colocado em leilão para que o débito seja reposto.

Se você não está em dia com o financiamento do seu imóvel ou veículo, você deve considerar dar prioridade a esse tipo de dívida. A inadimplência do financiamento de veículo ou de imóvel pode resultar na perda dos bens.

Renegocie antes de pagar a dívida

É muito comum que empresas aceitem renegociação de dívidas, especialmente as que estão atrasadas há muito tempo. Afinal, por mais que as taxas de juros tragam vantagens para a empresa, o que elas querem evitar a todo custo é levar um calote.

Portanto, entre em contato com os seus credores para conseguir negociar juros mais baixos ou, ainda, conseguir descontos para pagamentos à vista. Uma renegociação pode facilitar o pagamento das suas dívidas.

Caso você opte pelo parcelamento da dívida ao invés do pagamento à vista, não se esqueça de se informar a respeito do Custo Efetivo Total, pois dependendo das taxas, pode ser que a renegociação oferecida não seja vantajosa para você.

Considere solicitar um empréstimo para pagar as dívidas

Agora que você já possui uma noção do quanto realmente deve, está na hora de decidir qual é o melhor meio para pagar suas dívidas. Economizar e buscar novas fontes de renda devem ser a primeira opção a ser pensada, no entanto, a dependedor valor da dívida, pedir um empréstimo pode ser uma opção melhor.

Um empréstimo pode ser uma ótima opção para quem quer se livrar de todas as dívidas. Com um empréstimo, você consegue substituir várias dívidas por uma só dívida. Isso é ótimo não só para limpar seu nome, mas também para te ajudar a organizar suas finanças, já que a sua dívida ficara concentrada em apenas uma parcela mensal.

No entanto, uma boa pesquisa faz-se necessária antes da solicitação de empréstimo, pois só vale a pena pedir um empréstimo se o Custo Efetivo Total do crédito for menor que o das suas dívidas. Portanto, antes de solicitar, pesquise bem para saber se é mesmo a melhor opção para você.

 

E aí, gostou do post? Então comente e compartilhe para que mais pessoas também possam ver!