4 dicas de como usar um financiamento para salvar sua empresa da crise

A pandemia do novo corona vírus está agravando ainda mais a crise econômica que já afetava o nosso país. A cada dia que passa o número de empresas fechando as portas aumenta, juntamente com a taxa de pessoas desempregadas.

A medida para conter o avanço da pandemia, a quarentena e o isolamento social, é um dos principais responsáveis pelo crescimento desses números, justamente porque a grande maioria dos estabelecimentos precisaram suspender o seu funcionamento por causa da medida.

Dentro desse cenário, muitas medidas governamentais foram tomadas para tentar salvar as empresas e seus funcionários, como, por exemplo, a diminuição de taxas de juros. Com isso, pedir um financiamento pode ser uma ótima opção para salvar o seu negócio da crise.

A seguir, selecionamos 4 maneiras de usar um financiamento para ajudar você a manter o seu negócio e, ainda, salvar o emprego de seus colaboradores. Confira as nossas dicas!

1. Busque financiamentos para aumentar o capital de giro da sua empresa

Sem capital de giro, a sua empresa será mais uma a falir durante a pandemia. Portanto, caso sua empresa já esteja com esse capital afetado, vale a pena buscar um financiamento como uma alternativa a falência.

A primeira opção é tentar buscar créditos em instituições privadas, o que pode ser vantajoso, pois existe a possibilidade de não precisar de muita burocracia. Todavia, muitas instituições estão recusando créditos por falta de garantia de pagamento.

Há também a opção de buscar por programas governamentais. O Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) oferece um programa de crédito para pequenas e médias empresas, além de empresários individuais, desde que o faturamento dessas empresas não seja superior a R$ 300 milhões.

Anúncios

O objetivo é agilizar e flexibilizar o acesso a esse dinheiro, devido a urgência provocada pela crise atual. Cerca de R$ 9 bilhões deverão ser disponibilizados pelo BNDS.

Os MEIs também estão sendo fortemente afetados pela crise. Com isso, eles também estão com um opção de financiamento público. A Caixa Economica Federal juntamente com o Sebrae, criaram um fundo para ajudar justamente esse público.

O Fundo de Aval para Micro e Pequenas Empresas (Fampe) irá disponibilizar cerca de R$ 7,4 bilhões para os MEIs e as micro e pequenas empresas. A proposta do programa é oferecer linhas de crédito acessíveis, com taxas justas, o que deve representar cerca de 40% a menos do que era cobrado anteriormente.

O Sebrae também colaborará capacitando esse público a se qualificarem para a análise do crédito, fazendo com que a solicitação do crédito seja garantida.

2. Use um financiamento para melhorar o fluxo de caixa

Com a crise, muitas empresas estão vendo o seu fluxo de caixa diminuir cada vez mais. Usar um financiamento para melhorá-lo pode ser uma ótima alternativa a crise.

Contudo, lembre-se que pesquisa e planejamento devem ser feitos para saber quais as linhas de crédito com as melhores condições disponíveis para, assim, evitar possíveis prejuízos e dívidas. Existem muitas opções que oferecem taxas de juros baixas!

Além disso, fique atento ao capital de giro da sua empresa. Se ele estiver baixo, é melhor correr atrás de alguma oferta de crédito para aumenta-lo antes de melhorar o fluxo de caixa.

3. Consiga uma Subvenção (fundo perdido)

A subvenção, popularmente conhecida como fundo perdido, é um tipo de financiamento não-reembolsável. Ela tem essa característica porque ela ocorre quando o Governo Federal ou instituições privadas dão dinheiro para empresas sem que haja a necessidade de devolver o dinheiro.

Como o financiamento não requer nenhuma devolução do dinheiro, existem requerimentos rigorosos que devem ser cumpridos para conseguir o dinheiro. Portanto, para que sua empresa receba a subvenção, verifique os critérios do programa de fundo perdido que você deseja se cadastrar. Se sua empresa se encaixar no requerimentos, com certeza você conseguirá receber esse financiamento.

4. Busque crédito para a folha de pagamento

A pandemia, além de ter causado o fechamento de diversos negócios, aumentou o desemprego no país. Com isso, um financiamento pode ser útil não só para salvar a sua empresa, mas também para impedir que você tenha que demitir seus empregados.

Além do programa já citado, o BNDS também criou um programa que pode ajudar os empresários a garantir o emprego e o pagamento de seus funcionários. O Programa Emergencial de Suporte a Empregos é destinado às empresas cujo faturamento, com base no faturamento obtido no ano de 2019, foi maior que R$ 360 mil e menor que R$ 10 milhões.

O valor do crédito deve ser usado somente com a folha de pagamento dos funcionários, já que sua função é justamente evitar cortes salariais e que os colaboradores sejam demitidos. O objetivo é financiar até dois salários-mínimos por funcionário, por dois meses. Para os empregados que recebem mais que dois salários-mínimos, o restante fica a cargo do empregador.

 

E aí, gostou do post? Então comente e compartilhe para que mais pessoas também possam ver!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.